Namorando homem desempregado

Eu vivi minha vida inteira, já tenho quase 40, como homem, e me escondi com essa máscara de machão. Mal sabia que minha depressão viera do fato de que eu escondia meus reais sentimentos. E quando tudo o que eu tinha caiu, meu último sentimento permanecia dentro de mim, inalterado. Ele pode parecer encantador no começo, mas tente imaginá-lo sem esse charme do primeiro encontro. Se você não usar um pouco de raciocínio, você pode acabar se envolvendo com um dos 16 tipos de homens que toda mulher deve evitar. Namoros e encontros podem oferecer experiências valiosas para conhecer que tipo de homens e rapazes […] Site de Encontros e Redes Sociais online mais popular para Solteiros em Roma. Meet Compatible Singles in Rome for Love, Romance, Friendship & Relationship. 100% Free Italian Dating. Terminaria o namoro se seu namorado ficasse desempregado,sem grana ou sem carro Homem Terminaria o namoro se sua namorada tivesse cancer e ficasse feia e careca com quimio. Homens gosta de beleza e mulheres de status. Não venham dizer que um caso é diferente do outro pra proteger a mulher. Eu to namorando de mentira. ... Cara como tem aqui nesse sub homem com 'mimimi' (como eles gostam de falar pra reclamações femininas) porque não consegue transar. ... Você que tá desempregado e pensando em desistir: Quando você menos espera, a sua hora chega, confia, não desista de enviar currículos e correr atrás! ... Estou namorando há um ano e meio. Nesse tempo meu namorado já teve mais de 4 empregos. Na maioria das vezes ele é demitido e sempre os motivos são 'maiores' como empresa faliu, corte geral e etc (segundo ele). Antes de namorar comigo era assim também. E toda vez que ele fica desempregado eu automaticamente já penso como será o futuro. Homem acomodado tem conserto? 158. By Luiza Costa on 4 fevereiro 2015 Para mulheres. Leitora: Olá! Luiza, preciso de sua ajuda! Tenho 31 anos e namoro há 5 anos um rapaz de 33 anos. Tenho um emprego estável, pago as contas da minha casa, dirijo, tenho carro, viajo sozinha… Sempre trabalhei pra ter meu dinheiro. Não sou fã de homem pagando as coisas pra mim, gosto de dividir a conta. Na minha vida inteira (22 anos) nunca gostei de meninos novinhos, sempre gostei dos mais velhos, maduro e que sabem o que quer da vida. Acontece, que pela primeira vez estou ficando com um novinho (23 anos). Homem passa 7 horas parado em pé para tirar cobra da calça ... Atualmente desempregado, o galã dos anos 80 fez um desabafo em entrevista à coluna Retratos da Vida, do jornal 'Extra'. Opa, eu estou namorando a 2 anos e 6 meses, minha namorada tem 16 anos e eu tenho 19, enfim, eu estou desempregado, e minha namorada insiste em querer se casar comigo, mais eu quero me casar com ela, mais eu sempre digo que agora nao da, porque eu estou desempregado e nao quero nem que minha familia nem a dela sustente nos dois, mais o problema ...

Mulheres não são interesseiras (em geral) mas buscam segurança.

2020.09.04 15:16 pardobsb Mulheres não são interesseiras (em geral) mas buscam segurança.

Eu sei existem mulheres "aproveitadoras" que gostam de viver às custas de algum homem trouxa. Mas dá mesma forma existem homens folgados que vivem às custas da mulher.
MAS O PONTO AQUI É OUTRO Eu tenho duas graduações mas sou desempregado (mesmo empregos que necessitam pouca qualificação não me contratam). Eu conheci essa mina na academia e estamos caminhando para ter um relacionamento, até que ela conheceu um cara que estava formando em medicina. Aos poucos ela se distanciou e agora eles estão namorando. Eu me senti um lixo (por isso e vários outros fatores). Mas eu aprendi essa lição, por mais legal e/ou bonito que eu seja ainda sou um cara desempregado e qualquer um que olhar de fora vai me ver apenas como um vagabundo que ainda mora com os pais após os 25 anos... É só um desabafo triste de quem não aguenta mais tentar (não só por causa dessa história) ser um "homem de verdade"... Talvez eu nunca alcance esse patamar
submitted by pardobsb to desabafos [link] [comments]


2020.08.17 02:59 gimme-that-potato Uma das melhores decisões que tomei foi começar a tomar remédio para depressão

Olá, meus queridos.
Como o título sugere, venho aqui compartilhar minha experiência, pois acredito que possa acabar ajudando alguém aqui. No mais, vou poder pôr algumas ideias em ordem e poder dar uma desabafada. Tentarei ser breve, mas sei que não vai rolar rs, e acredito que meu texto não será tão linear.
O negócio é o seguinte: nunca fui apaixonado pela vida, de modo geral. Sempre fiz minhas coisas e tudo mais, mas essa tendência já me fez ficar para baixo (talvez algumas vezes depressivo) em algumas partes de minha vida. Nada disso me impediu de viver normalmente, sentir alegria, felicidade, paixão, correr atrás do que gosto, etc.
Acontece que ano passado estava em uma época braba. Havia terminado a faculdade, saído do emprego para prestar um concurso que não passei, e estava desempregado. Porra, estar desempregado é foda. A sensação de ficar em casa sem produzir é péssima.
Chegou uma hora que quis me cortar. Nada de suicídio, e nunca acreditei que pudesse fazer isso (apesar de estar com a constante sensação de querer nunca ter nascido), mas não deixa de ser um sintoma bem preocupante. Quando comecei a me dar uns pequenos cortes (escondidos), entendi que era hora de voltar pra terapia. Voltei para a mesma psicóloga que conheço há uns anos e confio bem.
Cabe aqui fazer um parênteses sobre depressão: há vários jeitos de melhorar esta doença. Contudo, tem um estudo recente que analisou a mistura entre dois tratamentos variados (ioga com psicólogo; meditação com psiquiatra; prática de esportes com meditação; etc.), e a melhor combinação de tratamento encontrada foi: acompanhamento psicológico junto com psiquiátrico. Não significa que tem que deixar outros tratamentos de lado, mas essa foi a melhor fórmula comprovada para combater.
Outra coisa: se você quer buscar um psicólogo, o que super recomendo, não importa a linha que ele ou ela segue. Freud, Lacan, Jung... nada disso importa. São ferramentas elaboradas para chegar em um mesmo objetivo. O que importa é você encontrar alguém que você vá com a cara. Alguém que você confie em desabafar. Não adianta conversar com um psicólogo pica das galáxias se você não se sente à vontade com ele.
Enfim. Começando a terapia, comecei a perceber diversos outros sintomas. Já não estava com a mesma concentração de antes. Me perdia no meio de frases. Estava me desconectando do mundo. Até atividades mais prazerosas estavam soando trabalhosas ou cansativas demais para mim. Meu prazer em coisas comuns, como comer algo bom, estava diminuindo. Foi a primeira vez que minha psicóloga sugeriu eu procurar um psiquiatra para me ajudar.
De início me senti mal, pois nunca tomei remédios para a cabeça. Mas depois veio um certo alívio: eu simplesmente estava doente, como uma gripe, e talvez precisasse só tomar um remédio. Você tem ideia de como é um alívio entender que sua mente te prega peças, e o motivo de você estar mal pode ser simplesmente algo fora de seu controle? Como uma mera desregulação hormonal, ou falta de algum receptor no cérebro, algo assim.
Falando com o psiquiatra, ele me passou um remédio relativamente novo, que, a grosso modo, estimula a produção de receptores de certos neurotransmissores na minha cabeça. Em outras palavras, ele estimula o cérebro a "captar mais prazer", ao invés de criar o prazer em si (como uma droga ilícita geralmente faz). Tanto é que é um remédio de tarja vermelha, e que não vicia (apesar de dar efeitos colaterais).
O início do tratamento foi bem ruim. O primeiro efeito colateral era a sensação de estar sonhando, ou na beira de uma grande ansiedade. Como se eu estivesse caindo, mas aquela sensação de "estar caindo" tivesse durando minutos. Isso me fez aprender a deixar rolar, sabe? Eu sabia que era um efeito do remédio, então não podia fazer nada, senão deixar acontecer, seguir com a maré. Eu diria até que eu pude aproveitar minha ansiedade. Sentia que era o remédio que me causava essa aceleração, mas que era ao mesmo tempo ele que me possibilitava ter esse "freio".
Outro efeito ruim foi o sono. Na verdade era mais uma vontade incontrolável de bocejar em si do que sono.
Como um outro possível efeito era falta de libido, óbvio que nos primeiros dias a primeira coisa que fui testar foi a masturbação. Confesso que foi bem difícil chegar no orgasmo, parecia que eu ia criar fogo com as mãos hehe. Por outro lado, um tempo depois minha libido até melhorou, pois minha depressão me fazia não querer buscar sexo. Minha namorada me apoiou durante tudo isso e entendeu, quando conversamos, que o sexo poderia piorar, o que felizmente não ocorreu.
Depois esses efeitos melhoraram (acredito que em até 2 semanas). O de sono e bocejo passou por completo, assim como o da ansiedade. Eu sentia que o remédio era um freio para minha ansiedade. Se eu fosse um carro, era como se o remédio colocasse uma trava na velocidade máxima. Sentia ele me ajudando.
Uma coisa que demorou para melhorar foi meu fluxo intestinal. Estava acostumado a ir ao banheiro todos os dias, às vezes até duas vezes (aqui cabe ressaltar que sou homem e, quando comecei a tomar o remédio no ano passado, estava com 26 anos). O remédio me fodeu com isso. Comecei a passar uns dias sem ir ao banheiro, ou ficar totalmente desregulado. Hoje, meses depois, isso já melhorou 100%.
Umas semanas depois comecei a ter um pouco de insônia, que até hoje vem e volta, mas nada que me atrapalhe.
Mas nada disso chega perto ao que o remédio me proporcionou: a capacidade de sentir prazer banal, no dia a dia, como ao ver um pôr-do-sol, ouvir uma música foda, ou comer algo gostoso. Hoje nem parece que eu tomo remédio. Faz parte da minha rotina: eu acordo, tomo meu comprimido, meu café, e sigo com o dia. Às vezes penso que deveria ter buscado um psiquiatra antes.
Claro que o tratamento é temporário. Eu sinto um pouco de falta de poder "curtir mais minha angústia" quando não tomava remédio, pois isso me ajudava a compor música ou escrever algo. Hoje me sinto melhor sabendo que estou mais pronto para terminar o tratamento (que demora no mínimo 6 meses, se não me engano até 2 anos). Também sei que, se voltar a ficar mal daquele jeito, tenho mais ferramentas para usar ao meu favor.
Se você está mal, não tenha vergonha de procurar um psiquiatra. Não coloque barreiras que não existem. Se você estivesse com febre, você iria no médico. Pode ser que sua depressão seja simplesmente uma reação física de seu corpo, e não uma mera falta de vontade (aliás, acho que nunca é, pois vontade de estar bem todo mundo tem). Até porque, uma pessoa com a vida 100% boa pode sofrer de depressão. Como falei, pode ser por algo idiota, como uma desregulação de seu corpo, algo hormonal, etc.
Pense nos remédios como uma rodinha extra numa bicicleta: ele vai servir de apoio para seu cérebro reaprender a andar sozinho, e, então, quando estiver pronto, vai poder andar ser as rodinhas.
Uma questão é que eu dei sorte. Um dos meu melhores amigos demorou uns bons anos para encontrar o remédio certo para ele. Ele tentou de tudo, várias terapias, e finalmente achou esse remédio (que é o mesmo que o meu, por coincidência), junto uma terapeuta de confiança. O cara até conseguiu assumir ser gay e hoje está namorando e feliz em um relacionamento, o que me deixa muito feliz.
Quando compartilhei essa história com outro amigo, ele confessou que estava tomando remédios para a ansiedade. Ele disse que era incrível poder sentir o prazer do presente ao andar de ônibus.
Comecei um trabalho novo em janeiro, e venho enfrentando altos e baixos por conta do isolamento da pandemia (não estar fazendo exercício vem ferrando com meu corpo). Mas sei que hoje tenho mais recursos para me cuidar. Ainda tomo remédio e faço acompanhamento psiquiátrico, e parei com a terapia pois não queria fazer online, embora eu ache que volte logo menos e faça por videochamada mesmo.
Enfim, espero ter ajudado alguém, ou ao menos estimulado a empatia, caso conheça alguém que esteja depressivo, ou com receio de começar a tomar remédios. Sempre fui muito mente aberta com muita coisa, inclusive terapia e psiquiatria. Mas ainda dava uma julgada com quem "parecia bem" e mesmo assim estava tomando remédio. Hoje vejo isso com mais empatia, pois nem todo mundo que parece bem está de fato bem. Quem sou eu para saber o que o outro sente, quando às vezes nem eu mesmo sei dizer o que sinto...
Se você tem algum amigo com depressão, ofereça seu apoio. Não julgue. Quando puder, insista na amizade. E não vomite suas próprias histórias. Não fale que "é falta de vontade", ou que é "frescura", ou que você conhece um "óleo essencial" para depressão. Às vezes a pessoa só precisa de alguém para desabafar, ou ao menos saber que você está lá para ela (como eu estive para esse meu grande amigo). Apesar de a tristeza poder ser um sintoma da depressão, depressão não é tristeza. Depressão é o oposto de vitalidade.
Por fim, deixo como dica de leitura o que acredito ser uma espécie de "guia definitivo" para a depressão (só não digo "definitivo" pois é uma área da ciência em constante evolução, e, CARAMBA, como eu sou grato por nascer nesta nossa época e não há 50 ou 100 anos, quando havia muito mais estigma e muito menos remédios...). Trata-se do livro O Demônio do Meio-dia, de Andrew Solomon. É um documento jornalístico que conta a história, em primeira pessoa, do escritor e sua luta para entender a própria depressão e a Depressão em si como doença. Nele há muito sobre questões emocionais, como os diferentes remédios funcionam, como a depressão afeta diferentes grupos de diferentes formas, etc. Foi o que me ajudou para ganhar conhecimento e lidar melhor com esse meu amigo (e, depois, lidar comigo mesmo). Esse mesmo jornalista faz um TED Talk muito bom aqui.
Obrigado a quem teve o saco de ler até aqui. Não sei se vou responder todas mensagens, mas tentarei. Se tiverem alguma dúvida, será um prazer tentar ajudar na medida do possível. Um grande abraço e tenha uma boa noite!
Edit: o remédio é Venlafaxina.
submitted by gimme-that-potato to brasil [link] [comments]


2020.07.28 16:35 OmikePepino Como fui de um Nice guy para um cara realmente legal. Kkkkkk

(para auxiliar na voz, eu sou um homem baixo de 25 anos) kk Oi, Luva, Editouros, gostosos e gostosas que estão acompanhando. Eu gostaria de contar a história de como eu fui um nice guy do qual tenho vergonha e ter sido. A história é grande mas eu juro que o "final" É a melhor parte
Em meados de julho de 2017 eu fazia uso do app do foguinho vulgo "chindler". Fazendo uso do app, eu dei match com uma garota gostosa e burra do jeito que eu gosto (é meme kk) nós conversamos pelo Tiinder e mesmo antes de nos encontrarmos eu já tive meu momento draminha em um assunto meio delicado. Eu sou tatuador, mas na época era apenas um aprendiz sem tatuagens visíveis. Certo dia falei pra ela que tinha intenção de fazer tatuagem na mão por que achava bonito (hoje tenho). Ela disse "se você fizer acho que eu não teria coragem de ficar com você". Não compreendi a motivação dela de dizer isso e disparei "Não vai ser agora que vou me privar de algo que eu gosto. Fui criado por uma família religiosa e já fui privado de uma infância e também de uma juventude saudável, não será agora que eu ou arrumar mais correntes pra me brecarem". Sinto que exagerei nesse momento, ela disse que falei de forma rude, chorou e blablabla. Eu, inocente como até hoje sou, me senti extremamente mal por tê-la magoado. Então pedi desculpa nos resolvemos, então marcamos de nos encontrarmos (no mesmo dia em que entrei para um estúdio de tattoo como aprendiz [pior coisa que fiz] kkk). O estúdio sugava minha sanidade de um lado por me fazerem de escravo, e ela do outro por achar que eu era responsável pela felicidade dela. Eu não podia dar presentes pra ela mas ela queria lanche quase sempre mas eu não recebia pra trabalhar no estúdio. Era simpesmente trabalhar e observar pra aprender algo útil. Nesse vai e volta (dependendo da reação do publico a essa história conto o quão agonizante foi pra mim esse "vai e volta" <3), quando era novembro, aniversário dela, eu queria fazer uma surpresa pra ela, peguei um trocado emprestado com meu irmão (50R$) e comprei uma caixa de doces gourmet com minha amiga e dei de presente pra ela. Ela adorou mas nessa altura nosso relacionamento já estava muito desgastado. (Foi no dia do aniversário dela também quase a matei trocando os medicamentos dela acidentalmente mas não assumo toda a culpa por isso mas é história pra outro momento). No mesmo final de semana desse ocorrido, ela quis ir só Outback, e eu, como um cavalheiro que sou, me senti na obrigação de pagar para ela. Peguei 200 reais emprestado com meu pai e a levei (foi Rolê mais humilhante do meu ponto de vista). Foi eu ela e alguns amigos. Um dos amigos dela falou que se mudaria para Portugal e pra encurtar, ela usou isso de pretexto pra dar total atenção pra ele (ficava abraçada com ele na minha frente enquanto eu estava sozinho sem ter assunto com os amigos dela) e me ignorou totalmente. Me senti deslocado e humilhado. Mas assumo total responsabilidade por não ter aceitado antes que não havia mais um relacionamento. Quando íamos embora ela anunciou que iria pra casa de um amigo dela em Suzano (amigo gente boa. Não desconfio que tenha rolado nada entre elas mas na época eu era ciumento e não compreendia) mas foi nesse momento que me caiu a ficha. Eu desisti de tentar, fui seguir minha vida, sai do estúdio pois não tinha mais sanidade pra permanecer. Fui cuidar de mim e esperar a notícia do término. Então, durante uma festa de halloween, eu fui o maquiador da turma. Enquanto eu fazia uma maquiagem que seria a campeã da competição de fantasia, veio a mensagem: "Michael. Quero terminar" Apesar de já saber disso eu fiquei quebrado, não consegui dizer nada além de "a gente pode ao menos conversar pessoalmente?" Ela disse que não queria me ver ainda. Pra eu esperar uma semana que ela viria até mim ou eu iria até lá. Eu estava muito depressivo e tenho anemia crônica. Meu peso normal é 65kg por que sou baixo. Eu estava com 53kg. Mas eu melhorei, voltei a me alimentar, treinar, fiquei saudável, até que no Réveillon eu me autosabotei da pior forma possível. Eu mandei mensagem desejando feliz ano novo pra ela (eu estava sob efeito de droga). Ela foi super gentil, me desejou de volta. Poderia nascer uma linda amizade nesse momento, mas não. Eu pedi pra voltar. Foi o último não que eu recebi antes do pior momento da minha vida. O ano de 2018 começou intenso. Me envolvi com drogas cada vez mais pesadas, cheguei até mesmo a vender. Só assim pra fingir que ela não existia. Porém, em março eu tomei um baque que foi a notícia que ela estava namorando novamente (direito total dela). Eu decidi que iria voltar a ser um bom filho/ irmão. Pagar tudo que peguei emprestado pra tentar fazer ela feliz (Nice guy falando). Arrumei um emprego, voltei pra academia, ia competir em um campeonato de fisiculturismo quando conheci a minha atual namorada. essa minha atual namorada, é a garota mais inteligente que conheço. Ela me dá orgulho por ser quem é. Minha sogra é um anjo na minha vida. Mas em dezembro de 2018 ela teve uma briga com o padrasto dela e veio morar comigo na casa da minha mãe. Ela prometeu que em janeiro ela já estaria procurando por outra casa e foi exatamente o que ela fez. Em fevereiro ela já estava se mudando para própria casa e disse pra mim: "Se você quiser continuar com sua mãe eu vou entender, mas adoraria que viesse comigo". Nesse momento eu estava desempregado pois estava novamente foco total na minha carreira de tatuagem. Por ela me dar total apoio eu aceitei ir morar com ela até por que minha mãe fazia um esforço imensurável para que eu desistisse de ser tatuador. Focado na vida de casado agora também, eu tive problemas. Não conseguia fazer tatuagens por que a senhoria da casa onde eu morava ficava plotando quem eu levava para lá. Um inferno. As coisas começaram dar errado na minha vida novamente (eu sou um cara azarado mesmo, Lubinha). No mês de maio eu perdi totalmente o tesão na vida. Pensava em suicídio e os caraio por que minha vida passou a desandar. Nem mesmo o amor incondicional que minha namorada me oferecia me confortava. Eu já tinha desistido. Meus amigos me chamavam no portão e eu ignorava. Ficava deitado fingindo que não escutava. Minha namorada comprou ingressos para uma convenção de tattoo para me animar. Funcionou muito bem. Eu voltei a desenhar, entrei numa maré de empolgação que não duraria muito. Eu tomaria outro golpe da vida. Minha máquina de tattoo queimou. Eu estava cheio de esperança no marketing digital mas nem isso deu certo pra mim. Minha namorada vinha me dizendo que estava pesado pra ela cuidar das contas sozinha mas eu não consegui fazer nada. Comecei a procurar emprego e adiar novamente meu sonho por um bom motivo. Mas foram 5 meses sem resultados. No mês de novembro nós mudamos para uma casa maior um pouco mais cara mas onde eu poderia ter a liberdade de vender minha arte. Nessa casa eu consegui trabalhar, fiz bastante trabalhos mas ainda assim tudo voltou a dar errado quando o bico que eu fazia no autódromo parou de acontecer por que estávamos em época de chuva. Eu ganhava menos com tattoo no início da carreira do que como controlador de acesso nesse bico. Eu só me fodo. Kkkkk Minha atual disse que queria um tempo pra ela poder organizar a vida dela. Ela basicamente havia desistido de mim, mas também, quem confiaria em mim se nem eu mesmo acreditava mais??? Se eu não arrumasse um emprego não daria mais. Veja bem como a vida é justa. Nesse momento eu arrumei 2 empregos e o dono do estúdio que eu contatei na convenção me chamou para trabalhar com ele. Kkk vida injusta. Eu estava numa sinuca. Meu sonho e meu amor estavam na mesma mesa cada um rolando pra um lado e eu teria que escolher qual eu salvaria de cair. Depois de muito pesar eu decidi seguir meu sonho. Julguem-me. Minha namorada falava palavras duras pra mim, dizendo que estava exausta, que não daria mais. Chegou a dizer que não me amava mais. Eu insisti por 2 semanas mas decidi dar total liberdade pra ela escolher o que queria: "Você escolhe se quer ficar ou se quer ir. Saiba que eu te amo e vou adorar se ficar, mas se for eu vou ficar bem. Não se preocupe" Ela decidiu ficar. Tudo começou dar certo. Era fevereiro e eu pagava o aluguel e sobrava um bom dinheiro pra gente sair final de semana. Aí um chinês resolveu comer um morcego e todos os estúdios/comércios tiveram que fechar. Desandando novamente. Hoje estou tentando retomar minha clientela que se dissipou demais nesse momento, mas ainda não tenho conseguido produzir nem ao menos o necessário para pagar meu aluguel...
A vida vai continuar me dando essas rasteiras. Mas eu vou levantar sempre, de novo e de novo. Se não tá bom eu vou fazer ficar. Agora eu estou total focado em ficar cada vez melhor no meu trampo pra poder ganhar uns troféus e pra dar a vida que essa minha atual merece. Não sei se falei. Minha atual e minha ex se tornaram muito amigas. Somos isentos de ciúme (acho que é o mínimo necessário pra namorar um tatuador) kkkkk
Desculpa pelo histórião Luvinha. Mas eu tenho uma história dessa tanto pros relacionamentos quanto pra vida profissional quanto pra familiar. Kkkkk
Luba. Caso leia. Sugira pro YouTube colocar um botão pra curtir quando em tela cheia. É muito chato ter que minimizar o vídeo pra dar like. Kk
Plot twist. Acabei de terminar com a minha atual ex.
Amo vocês galera. Agora é eu por mim <3
submitted by OmikePepino to TurmaFeira [link] [comments]


2019.02.15 04:47 throwaway901xm Namorei um menino pela internet por 6 anos sem nunca nos vermos pessoalmente. Tô aqui lembrando os piores momentos.

Meio longo, mas preciso desbafar.
Ele era da minha cidade, amigo de um parente meu, mas se mudou pro exterior. Quando ele já tava fora do país há alguns anos, esse parente nos apresentou pela internet porque sabia que gostávamos das mesmas coisas e tal. Isso foi por volta de 2011. Então eu sabia que ele era quem ele era já que tínhamos alguém em comum em nosso círculo social. Éramos muito parecidos. Não tínhamos experiência nenhuma sexual ou romântica, gostávamos de muitas coisas similares. Ele era poucos anos mais velho que eu, mas em geral era como se tivéssemos a mesma idade (eu tinha 19 e ele 22).
Enfim, depois de muito conversar a gente começou a gostar um do outro e resolvemos namorar. Ele jurava que viria me ver "logo que possível" mas nunca arrumava um trabalho. Não era 100% culpa dele, ele tava em desvantagem porque não fez cursos nem terminou a faculdade. Mas enfim, ele procurava pouco, e quando recebia um não, ficava cada vez mais desanimado. Foram uns dois anos assim. Minha família era contra, eles eram muito religiosos e queriam que eu casasse com algum menino religioso da igreja deles e não com alguém que eu conheci na internet e vivia do outro lado do mundo. Então eu acabei tendo muitas brigas em casa pra parar de falar com ele. Eu era maior de idade, eles só eram puta controladores mesmo. Eu era louca por ele, mas nada dele vir me ver. Eu pegava no pé pra ele ir atrás de um emprego pra gente poder se encontrar, mas não dava pra fazer muito assim tão longe dele. Sustentado pela mãe, era fácil pra ele se acomodar. Só jogava videogame e ia pra academia...
Enfim, nessa enrolação toda eu resolvi começar a faculdade. Ele meio que fez um pequeno escândalo porque tinha ciúmes já que minha rotina iria mudar dramaticamente, mas eu fui assim mesmo.
Ele tinha um dinheiro economizado (bastante por sinal) e ele resolveu comprar um cachorro de raça. Simplesmente do nada. O cachorro foi tão caro que dava pra ele ter comprado a passagem pra me ver. Eu estava esperando há anos pra vê-lo e aí ele, desempregado, gastou todo o dinheiro num cachorro chique. Se queria ter um, por que não adotar um já que nem dinheiro ele tinha?
Isso enfraqueceu nosso relacionamento e terminamos. Sentia que ele me amava mas ele não tomava atitude nunca.
De vez em quando ele aparecia do nada pra dizer como tava feliz e abençoado, blá blá blá, que agora ele bebia e era cool. Arrumou um emprego e ficava se gabando que ele iria se mudar pra outro lugar e finalmente viver longe da mãe dele. Um dia ele pegou e me disse que não era mais virgem. Me bateu muito ciúme. Perguntei com quem tinha sido, que eu pelo menos esperava que tivesse sido com alguém que ele gostasse. Aí ele me diz que ele pagou uma prostituta. Que foi em várias na verdade. E que ficou com outra garota por aí. Doeu, mas era a vida dele. Jurei nunca mais falar com ele já que ter ciúme me fez perceber que não tinha superado totalmente.
Passou um ano e pouco. Um belo dia um de nós fez aniversário, não lembro bem se ele ou eu, e voltamos a nos falar. As semanas foram passando e fomos nos reaproximando. Fui idiota pela milésima vez e reatei com ele. Parecia uma maldição porque novamente ele estava desempregado. Fora isso, ele estava tendo problemas com o visto dele. Ele já morava lá há anos mas o fato de estar desempregado há tempos fez com que ele perdesse o visto. Implorei pra ele voltar. Nessa época eu estava recém formada, mas já tinha um trabalho onde eu estava há um bom tempo. Eu disse pra ele que a gente poderia construir nossa vida, que bastava ele vir.
Bom, ele tinha síndrome de vira-lata e só falava mal de brasileiro. Mesmo vivendo de forma ilegal onde estava, queria ficar lá porque "brasileiro é horrível" e tudo era motivo pra ele falar mal do próprio país apesar de assistir novela da Globo todo dia porque a mãe dele comprou o canal internacional. Apesar de ter família no Brasil, pessoas que estavam prontas pra o acolherem, ele não queria vir por birra e preferia ser pego pelas autoridades e forçado a voltar de forma humilhante do que vir por contra própria.
(Falar mal do Brasil e do brasileiro era hobby pra ele. Ele falava umas mil vezes por dia apesar de ser brasileiro e ter cara de brasileiro, e família 100% brasileira. Gostaria de adicionar aqui também que, apesar de pardo, gostava de se dizer branco e ficava ofendido quando qualquer pessoa dizia que ele era moreno. Ele também gostava de dizer como eu era branca, então acho que ele tinha algum problema sério com a pele dele e país de origem).
Nessa época ele descobriu que pegou herpes. Vai saber de quem, mas ele achava que não era das prostitutas e sim da garota com quem ele ficou. Ele ficou super triste e quis terminar comigo. Não deixei, mas foi outro baque pra mim.
Lembro que o povo começou com a onda do vape nessa época e ele quis comprar um com dinheiro que a mãe dele deu pra ele. Ele falou pro vendedor que não era fumante mas queria comprar mesmo assim. O vendedor falou pra ele não comprar e disse que não valeria a pena. Acredita? O próprio vendedor que tá lá supostamente pra vender qualquer coisa pra trouxa, disse pra ele não gastar. Quando ele me contou essa eu quis meter minha cabeça na areia.
Sem emprego, deprimido, síndrome de vira-lata. Agora com uma DST. Eu sabia que não iria mudar, não iria.
Terminei com ele. Mesmo sabendo que era o melhor pra mim, chorei muito. Foram longos anos juntos. A mãe dele me mandou mensagem e me ligou várias vezes pra dizer como ele tava sofrendo. Acho que ela gostava muito de mim porque sabia que estávamos juntos há anos e que eu estava ouvindo as promessas sem pé nem cabeça dele desde o fim da minha adolescência. Eu gostava dela, mandei doces pra ela algumas vezes.
O tempo passou. Conheci alguém novo de forma super casual, online também. Mas esse daí não perdeu tempo.
Ele era estrangeiro, mas pegou um avião pra me ver no Brasil assim que decidimos que queríamos nos ver. Foi um sonho. Um dia nós decidimos que queríamos ficar juntos de vez. Resolvi me mudar com ele. Hoje esse homem é meu marido, e eu sou muito feliz com ele.
Logo que eu me mudei o meu ex tentou falar comigo. Me ligou aos prantos porque descobriu que eu tava com alguém e que tinha viajado. A mãe dele entrou em contato comigo também, praticamente pedindo satisfação porque eu tinha desistido de vez do preguiçoso. Disse que o filho era um anjo, um amorzinho... Ela era religiosa pra caramba, então contei pra ela alguns dos podres dele porque na hora eu estava chateada porque eles estavam me perturbando. Falei que ele tinha ido atrás de prostitutas durante o tempo que ficamos separados, que tudo bem porque a gente não tava namorando mesmo na época, mas que eu queria que ela soubesse que ele não ficou chorando no quarto quando terminamos. Que no primeiro término ele tinha vivido e curtido, e que faria o mesmo dessa vez. Claro que ela não acreditou e disse que ele provavelmente só falou isso pra me deixar com ciúmes. Ok. Depois que nos despedimos, bloqueei os dois. Foi um grande alívio apesar de ter sido um momento um pouco triste. Foi o final de um capítulo muito longo pra mim.
Enfim, é isso. Tava pensando aqui em tudo o que rolou e queria colocar pra fora. Doeu tanto na época. Tanto mesmo. Eu fiquei com ele durante anos muito formativos pra mim. Eu sonhei muito com ele e em muitos momentos eu acreditei no amor dele, mas faltava atitude. Sempre faltou atitude. Às vezes eu me sentia idiota por estar esperando sozinha por tantos anos, mas eu não queria dar o braço a torcer. Não queria jogar tudo pela janela porque foi muito tempo e esforço que eu coloquei nesse relacionamento falido. Esperei por tantos anos pra ele vir me ver, pra nos encontrarmos... E no fim ele não veio. Quem veio foi outra pessoa, alguém que não só FALOU que me amava, mas DEMONSTROU isso diversas vezes, sem que eu precisasse fazer qualquer tipo de pressão. Lembrei que várias vezes ele fazia pressão emocional em mim pra que eu largasse tudo aqui e fosse atrás dele, mas eu não queria fazer isso porque queria ver iniciativa da parte dele. Pelo menos essa burrice eu não fiz, o preço teria sido alto.
E no fim das contas quem viajou fui eu, pra um país completamente diferente, enquanto ele provavelmente ainda está lá onde morava, com o seu cachorro chiquérrimo vivendo com a mãe dele e fugindo das autoridades que querem mandar ele embora e tentando esconder de si mesmo que ele é, como eu, um BR no exterior. A vida é engraçada.
Termino esse post com um obrigada a qualquer um que tenha lido este desabafo. Me sinto melhor agora, foi bom colocar tudo isso em palavras.
submitted by throwaway901xm to desabafos [link] [comments]


2018.02.16 01:56 antoniobrasileiro Sem direção...Fui traído.

Senta que la vai textão: Faz 10 anos que estou casado com minha esposa. Temos um filho de 10, namoramos pouco tempo, ela ainda era virgem, e eu já tinha vivido outros relacionamentos, (temos uma diferença de 7 anos). Quando descobrimos que ela estava gestante resolvi que casaríamos, confesso que logo no início eu apenas gostava dela, mas sabia que ela era uma pessoa boa de coração, eu já estava cansado de badalação, queria encontrar alguém pra compartilhar uma vida. Então conversamos, disse que estava disposto a casar com ela, e ela aceitou. No início foi muito difícil a convivência, pois sou um cara que gosta das coisas certas, às vezes até demais. Ela cresceu vendo sua mãe ser auto suficiente, de maneira que quando pedia pra fazer algo diferente, de outra maneira, ela achava que eu queria mandar nela, botar ordem. Nunca foi minha intenção, eu apenas queria orientá-la para que as coisas não dessem errado. A família dela é bem humilde, isso nunca foi problema pra mim, porém ela acha que minha mãe não queria que casasse com ela, acha que minha mãe sempre fala algo pra tentar machucá-la, e sinceramente tenho certeza que não é isso. Mas enfim, a questão é que vira e mexe acabamos tendo brigas por conta disso, e o mais engraçado é que a briga é por causa da minha família, que ela começa por conta desses achismos, às vezes porque acha que a madrinha do nosso filho (minha irmã) está mimando demais ele, dando muito presente fazendo as vontades. Graças a Deus as brigas que eram por nós mesmos diminuíram bastante. Eu nunca a proibi de nada, mesmo! Eu sempre a deixei fazer e comprar oque ela queria . Temos uma vida confortável, meu trabalho apesar de ser necessário que esteja constantemente viajando remunera bem, com isso ela nunca precisou trabalhar. Mas ela não é dondoca, de só ficar em casa sem fazer nada, ela me ajuda muito cuidando da casa, e agora tomando conta do negócio que montamos (guardando dinheiro) quando estou fora. Depois que nosso filho fez dois anos ela quis fazer faculdade de educação física, eu dei o maior apoio pra ela. Lá no fundo eu sabia que a desgraça viria deste curso, eu nunca disse isso a ela. Enquanto ela estava fazendo o curso eu nunca desconfiei de nada, com exceção de uma vez que ela disse que ia pra faculdade, aconteceu um imprevisto e tive que ir lá pegar ela. O campus da faculdade é bem grande, eu sabia quais eram as salas que ela tinha aula, mesmo assim eu não a encontrei. Liguei várias vezes o telefone só chamou, quando eu já estava voltando pra casa, ela me ligou, disse que estava na parada de ônibus próximo. Perguntei onde ela estava, ela disse que estava no laboratório, e eu realmente não tinha ido lá, já que não sabia onde ficava. Em 2015 sofri muita pressão no meu trabalho, pois minha empresa estava prestes a perder um importante contrato, e além disso tinha conseguido uma vaga muito difícil em curso que me possibilitaria ascender em minha carreira. Como a instabilidade na minha empresa estava crescendo, isso significava que teria que arcar com todas as despesas sem trabalhar durante 6 meses. Pra completar o cenário, a crise veio com força, e começou a surgir histórias de que o curso seria cancelado. Fiquei uma pilha de nervos, pois ficaria desempregado, não faria o curso e sem perspectiva nenhuma de emprego, pois na função que estava não apareciam vagas. Confesso que nem eu estava me suportando às vezes, eu transferi um pouco dessa pressão pra ela. No final de 2015 fui demitido, e no início de 2016 saiu a resposta que eu mais esperava, o curso seria realizado! Fiquei um pouco aliviado, mas a crise se aprofundou na minha área, e as vagas que apareciam para posições superiores também minguaram. O curso seria realizado em uma cidade onde conheci minha primeira namorada, porém, ela já não vivia mais lá, morava em uma cidade no mesmo estado porém a várias horas de distância. Além disso já não gostava dela há muito tempo, eu estava casado e minha ex namorando. Nessa cidade ainda moram muitos amigos meus de faculdade, que não os via fazia tanto tempo. Foi natural que eles me convidassem pra ir assar uma carne e tomar cerveja, sair pra um barzinho, e ir uma vez em um show. De uma vez que sai com meus amigos, passei bastante tempo com eles, meu telefone descarregou. No outro dia ela me ligou dizendo que eu tinha ido me encontrar com a ex. Durante o curso todo ela achou que eu estava fazendo coisa errada...Sinceramente depois do que descobri, queria ter feito. A verdade é que depois que casei com ela, nunca estive com outra mulher, nem mesmo beijei outra mulher. Acho que ela não acredita nisso… Durante o tempo que estava realizando o curso apareceu a oportunidade de montarmos o negócio que estamos tocando. Não tinha como eu tocar a obra de outra cidade, então ela ficou encarregada disso, com meu auxílio pelo telefone. Tivemos muitas brigas por causa das obras, porque muitas vezes ela queria fazer do jeito que ela achava, e muitas vezes errado, sendo que eu explicava tudo pra ela como deveria ser feito pra não ter desperdícios, pra não estourar nosso orçamento e nem atrasar as obras. No final das contas inauguramos nosso empreendimento, e está indo muito bem obrigado. Sempre foi meu sonho poder um dia largar meu trabalho e poder trabalhar perto dela e do meu filho, ter uma vida estável sem precisar me ausentar. A empresa inaugurou em outubro de 2016, atrasou um pouco, mas sem maiores consequências. Nesse meio tempo o curso já havia terminado, e eu estava empregado novamente na posição que o curso me proporcionou. Gente, vocês não têm noção de como eu fiquei mais leve, relaxado, aquele peso todo que sentia estava finalmente saindo das minhas costas. Algumas brigas ainda existem por conta do negócio, mas normal, nada sério, nessa parte sabemos que os assuntos do negócio têm que permanecer lá depois que fechamos as portas no final do dia. O ano de 2017 veio de uma forma muito boa, pelo menos pra mim. Teve uma vez que nos desentendemos feio. Foi ela que começou a puxar assunto sobre minha irmã, aquela mesma história que já falei, ela achar que a madrinha denga muito o sobrinho. Nesse dia senti que ela estava arrumando um pretexto pra arrumar confusão comigo, passou uma duas horas falando, e queria que eu ligasse pra minha irmã pra reclamar sobre o assunto. Não fiz, até porque era ela que estava incomodada com a situação, e além disso o filho não é só meu. Às vezes temos algumas brigas sérias por conta do nosso filho, porque ela muitas vezes espera que eu o corrija...Costumo dizer que ela só quer os momentos bons com ele...Acredito ser verdade, pois muitas vezes quando ele está fazendo mal criação, ela grita de lá: “olha marido oque teu filho tá fazendo”. Caramba, isso me dá nos nervos, quando o filhote faz isso comigo não espero por ela. Eu o corrijo na mesma hora. E ela muitas vezes não faz, ou me chama pra dar bronca. Agora nem vou mais, só faço falar: “Te vira! É teu filho também”. Antes de tudo quero que ele cresça um homem íntegro, respeitador e honesto. Aí veio agosto de 2017, meu mundo veio a baixo. A felicidade que sentia, quando estava em casa com eles, minha esposa e filho, ao vê-los correndo pela casa, quando eu estava brincando com eles na cama de fazer cócegas era muito grande. Eu dizia só pra mim: “Obrigado meu Deus por me dar tanta felicidade”. Se no início eu apenas gostava dela, naquele momento eu a amava demais. Tudo isso acabou! Descobri que ela estava me traindo com um ex professor da faculdade. E pra completar ele mora na rua de trás de casa. No início ela tentou negar tudo, dizendo que era invenção da minha cabeça. Mas eu tinha provas, e contra provas não há argumentos. Ela tentou esconder quem era a pessoa no início, tentou dizer que saiu só aquela vez que descobri...Mas aos poucos, por conta própria, descobri que ela já vinha saindo com o cara desde 2015, lembra da pressão que estava sofrendo? Pois é, e essa história toda de estarmos sofrendo pressão, foi oque ela diz ter causado a traição. Quando estive fazendo o curso, ela saiu várias vezes com ele, e depois me alegou que era porque achava que estava saindo com minha ex. Em maio de 2017 foi a última vez que ela diz ter saído com ele. Aqui eu preciso fazer um parêntese: Mais ou menos em 2013, não lembro bem a data, sério, a ex entrou em contato comigo, ai acabou que fizemos várias chamadas pelo skype, e ficamos nus um para outro. Rolou masturbação, confesso. Mas parou aí. Nunca mais encontrei com ela, e depois disso também não falei mais com ela. Logo depois que aconteceu as chamadas de skype, me arrependi muito, não é uma coisa que sinto orgulho. Mas também até eu descobrir a traição da minha esposa, eu ainda não tinha contado pra ela oque havia ocorrido. Ou seja, teoricamente, ela não teria motivos reais pra me trair, porque ela nem desconfiava. Brigamos muito, xingamos um ao outro. Eu chorei muito, ela também. Ela diz que sempre me amou, nunca deixou de gostar de mim. Que acha que foram coisas que deveria ter feito enquanto era solteira. Estamos juntos, ainda gosto muito dela...Tenho medo de perder minha família… Mas fico muito receoso de quebrar a cara novamente. Às vezes sinto que fui duplamente sacaneado por ela, porque se eu quiser me separar dela, terei que abrir mão também do meu sonho, de trabalhar perto de casa. Não existe um dia que não pense no que ela fez, no que ela pode ter feito com o cara. Me sinto muito humilhado. Estamos junto, mas por enquanto não consigo me ver novamente com ela como antes, os dois velhinhos… Ela toda curvadinha e eu segurando ela pelo braço...Cara é foda! Que vontade de chorar! Sinto meu orgulho ferido...Eu posso não ser o melhor homem do mundo, mas também sei que não merecia isso, sei que a opção de fazer foi totalmente dela, independente das pressões, brigas e dificuldades que tenhamos passado. Eu fiz uma viagem com ela agora para um destino romântico, foi legal...Mas...Depois disso tudo sempre tem o “mas”. Essa semana briguei feio com ela novamente, não estou em casa, estou trabalhando…Sinceramente não sei oque fazer. Já tentamos psicóloga, mas acho que não adiantou muito não. A verdade é que às vezes queria machucá-la, fazê-la sentir oque eu sinto às vezes. Essa semana instalei tinder e esses outros app, queria me sentir valorizado. Às vezes me vejo fazendo e dizendo coisas pra ela só pra ver se ainda gosta de mim. Me sinto ridículo quando percebo. Teve ocasiões em que até pensei em inventar pra ela que estive com a ex. Agora estou pensando em fazer uma viagem sozinho, pra um lugar bem distante quando sair do trabalho. Penso que preciso de um tempo só comigo mesmo. Queria opiniões e maneiras de pensar de pessoas que não façam parte do meu convívio. Por isso postei aqui.
submitted by antoniobrasileiro to desabafos [link] [comments]


2017.09.25 21:45 botafora01 Sinto que a minha vida já está traçada

Desde já peço desculpas pela muralha e pelo throw away
OK, desde o Ensino Médio eu sofria com algo que eu imagino 90% do Reddit sofreu: não conseguia pegar sequer resfriado. Era extremamente zoado pela sala toda por isso (meus amigos até hoje dizem que eu sou o único da turma que nenhuma mulher chegou), cheguei até a apanhar por isso. Só fui perder meu BV no meu ano de calouro na faculdade e a minha virgindade quando fui num bordel. Eu ficava triste com isso, mas também estava esperançoso: afinal, era um adolescente, estava entrando na faculdade, e todos sempre me louvavam por, segundo eles, eu ser muito inteligente. A menina que eu gostava na época, e que até hoje é uma amiga (e que eu passei a maior vergonha da minha vida, ao me declarar pelo fucking MSN), vivia brincando dizendo "O nerd de hoje é o cara rico de amanhã". Boas memórias.
Chegou 2013, e eu entrei na faculdade. Não fui maravilhosamente bem no ENEM, mas consegui uma bolsa integral em Administração em uma bela universidade. Escolhi Adm por pensar que o mercado estava bom e por ser noturna, o que me permitiria trabalhar. Nesse período, perdi meu BV e fiquei com outra menina uma vez, num espaço de 9 meses. Pra mim, isso era o ápice, eu era o deus da conquista, mesmo que meus novos amigos me zoassem de "pega ninguém" do mesmo jeito. Nessa época, eu baixei o Tinder e conheci o meu primeiro namorico, vamos chamar de Ana. Ana morava a 3h30 de viagem, então era praticamente um namoro à distância. Ficamos algumas vezes, 3 meses depois começamos a namorar e, depois disso, ela passou o mês seguinte dando desculpas para eu não ir lá. Chegou fevereiro, veio o carnaval, e ela disse que estava passando mal. Foi para o hospital e detectaram leucemia. Óbvio que eu pirei, queria ir pro hospital dela de todo jeito, mas ela nunca deixava, dizia que os pais me viriam, iria arrumar encrenca, ela iria ver um momento que estivesse sozinha. Se passaram 5 meses nesse tormento, hora ela dizia que estava boa, hora dizia que estava mal, quimio e afins, até que meus amigos de sala fizeram uma intervenção comigo, mostrando que não havia nada em rede social nenhuma dela a respeito de câncer, mostrando que ela estava postando normalmente sobre coisas cotidianas e que era a maior retardadice do mundo eu não ter ido nenhuma vez ver ela. Eu fiquei meio balançado, até porque meus pais concordavam com este ponto de vista, mas fiquei meio irregular com ela. Pouco mais de um mês depois disso, ela disse que tinha tido alta, tinha encontrado um ex, tinha ficado com ele e queria terminar. Não lamentei muito, até porque isso ocorreu em um espaço de uma semana, no máximo. Terminei e, desde então, ouvi dela duas vezes na vida. Passou.
Vale mencionar que, nesse meio tempo, a minha vida em casa havia melhorado demais: durante meu período de Ensino Médio, minha adolescência se resumia a passar finais de semana com minha mãe em bares, vendo ela entrar quase em coma alcoolico com as amigas e outros finais de semana na casa do meu pai, vendo ele ficar bêbado e chorar no meu ombro sobre ele ser um fracassado que não conseguiu sequer manter um casamento. Quando eu terminei, minha mãe já estava mais centrada (como está agora), saindo ocasionalmente e socialmente, e meu pai parou de beber após enfartar e voltou a ser o cara extremamente trabalhador que eu sempre admirei. No fim do meu primeiro ano de faculdade, eu passei a estagiar em um instituto federal. Ao mesmo tempo do término que eu disse acima, eu fui chamado para um concurso temporário, em outro órgão público, bem mais perto de casa.
Poucos meses após eu terminar com a Ana, entrou em cena a pessoa que eu, de fato, considero como a única que eu namorei. Vamos chamar ela aqui de Beatriz. Beatriz me chamou no Facebook, para brincar sobre uma postagem que eu havia feito (já havíamos tido pequeno contato ainda no colégio), e daí começamos a conversar. Dois meses depois, ficamos e, 5 meses depois, começamos a namorar. Ela perdeu a virgindade comigo e, na prática, eu também perdi com ela (transei com prostitutas umas 4 vezes antes. Fiz exames, por precaução, e não deram nenhum reagente). Eu aprendi demais a me aceitar com ela, nós tínhamos a mesma personalidade, ela era a primeira pessoa que não só não me julgava por meus interesses, como me incentivava a seguir eles. Não me cobrava nada, eu não cobrava nada dela, mas conversávamos de forma quase ininterrupta das 7 até meia noite. Com ela, no entanto, eu descobri algo que já havia visto antes nos bordeis: não sei o que me causa, mas com certeza eu tenho ejaculação precoce. Fui em um urologista, que me disse que era algo psicológico, que eu só precisava "me desligar". Tentei os exercícios que o próprio Reddit indica, mas nunca funcionava. Usei camisinha anestésica 2 vezes: uma vez foi uma maravilha, na outra estourou e eu traumatizei. Sempre me sentia extremamente culpado e furioso comigo mesmo após cada fim de penetração, mas o que atenuava era a presença dela, que sempre me dizia que não ligava, que eu conseguia deixar ela no céu somente com as preliminares, que não ligaria de passar por isso por não sei quanto tempo. Tudo que eu me julgava errado, ela me mostrava que não ligava. Eu me sentia num porto seguro com ela, e isso me impulsionava na faculdade: eu imaginava que iria me formar em um emprego na iniciativa privada, sem "data de validade" como meu emprego temporário, e que, 1 ou 2 anos após isso, estaria casado com ela. O único motivo de discussão que tínhamos era que ela tinha total ojeriza de tornar público: não podia postar nada com ela no Facebook, não podia atualizar status de relacionamento, não podia ir conhecer os pais dela, que "iriam proibir completamente". Mesmo os amigos eu só vi 2 vezes (uma outra vez eu não pude ir por motivos profissionais). Eu sempre entendi que isso era um receio dela, então, mesmo um pouco frustrado, eu aceitava. No que eu terminei minha monografia, estava preocupado com a questão do mercado, mas nada demais. Até que veio o dezembro, 1 ano e 4 meses após começarmos a ficar.
Eu estava na faculdade, pegando os convites de formatura, quando ela mandou o tradicional "precisamos conversar". Resolvemos por texto mesmo: ela disse que gostava de outra pessoa, e que se sentia culpada namorando comigo com interesse em outro. Aceitei, triste, e demos um tempo. 2 dias depois, um amigo me manda uma foto no perfil de um rapaz, que era o mesmo que ela gostava: ambos deitados, ela de top e ele sem camisa, e uma descrição bem...insinuante. Óbvio que eu pirei, liguei para ela, tivemos uma baita discussão, mas, depois disso, esfriou. Acabamos nos vendo, e ficando de novo. Ela terminou com o rapaz, mas ainda jurava de pés juntos que aquela foto era uma coincidência, que ela não havia me traído, que jamais faria isso, que era íntegra. E ficamos uns bons 3 meses indo e voltando até que, em abril, ela me mandou um testamento contando tudo: numa segunda, ela estava na casa de uma amiga, com este rapaz e o cara que a amiga estava pegando. A amiga e o peguete dela começaram a dar uns amassos no local e, segundo ela, ela não conseguiu "resistir" e montou no cara. Uma traição espetacular, que até hoje eu uso como humor auto depreciativo. Fiquei em choque por um tempo, mas, contra os conselhos de todos, perdoei ela e voltamos a namorar. Mas não era a mesma coisa. Ainda era maravilhoso por um aspecto, mas, por outro, ela estava insegura com o relacionamento (dizia que se sentia culpada por ter "estragado tudo por um impulso") e eu estava inseguro com tudo, precisava de validação dela pra tudo, principalmente no que tangia sexo. Eu já era inseguro sexualmente antes, agora era 3x mais, então eu basicamente a induzi a me contar toda a experiência sexual dela com ele, até eu me sentir menos perdedor. No entanto, eu estava começando a me recuperar em junho, estava me reencontrando, entendendo que estava apertando ela desnecessariamente (uma amiga teve essa conversa esclarecedora comigo). Então, tanto como solidificação como um pedido de desculpas, eu planejei uma viagem para nós, no dia que ficamos pela primeira vez, que cairia num sábado. Disse para ela os planos, ela ficou elétrica, empolgada, começou a me mandar links do local, brincar com meus planejamentos e afins...e, na semana seguinte, pediu para terminar. Disse que nunca esteve certa sobre nós termos voltado, que ela ainda me amava, que ainda sentia tesão comigo, mas que não se sentia pronta para um relacionamento sério, e "não queria me magoar". Aceitei, até mantive o contato, pq, nesse meio tempo, ela virou a minha melhor amiga. Mas o mesmo amigo da vez anterior me mandou um print de uma conversa dela com a irmã dele, dizendo que tinha terminado por estar afim de outro cara, e eu reconheci o sujeito: era um cara que ela falava horrores bem dele, "ah, fulano fez isso, fulano fez aquilo, me ajudou com x, um cara foda, faz não sei o que". Não sei se ela me traiu, mas tal conversa era de 1 dia e meio após termos terminado, e ela já havia ficado com tal cara. Não sei se ela me traiu de novo, mas a confrontei (não falei do meu amigo, obviamente, disse que a vi na rua) e ela manteve que não me traiu, mas que, dessa vez, poderia ficar com quem quisesse pq "fez a coisa certa". Eu disse que não conseguiria conversar com ela enquanto ainda tivesse sentimentos, ela disse que entendia, mas que queria saber de mim, que eu ainda era "o melhor amigo" dela.
Isso faz um mês e meio. Eu não consigo deixar de me sentir mal. Eu podia ter feito tanta coisa melhor, mas não fiz. Ela me traiu, possivelmente duas vezes, e tudo que eu consigo fazer é me culpar. Eu só não a chamei ainda pq imagino ela ficando com esse cara, que é melhor que eu em tudo: mais bonito, com uma barba farta de lenhador, com uma carreira já estabelecida, carro na garagem, mora sozinho e afins. O que me leva ao lado profissional: a sala da faculdade se reuniu para um churrasco há 3 semanas, estávamos conversando sobre empregos e eu concluí algo: apesar de que eu (e eu sei quão arrogante isso soa) ter feito que metade da sala ganhasse um diploma, eu sou o único dali sem um emprego minimamente fixo e tenho um salário que é o menor de todos, com vantagem. Todos falam que eu vou ganhar 3k, 4k logo, mas eu já cansei de tomar portadas de empresas. Gasto com passagem, gastei com um terno novo, gravata, e tudo que eu consegui foram muito obrigados, mas uma parcela da minha sala que literalmente não consegue entender que 50% e 0,5 são a mesma coisa (eu tive que ensinar manualmente regra de 3 simples e cálculo com números decimais quando estudamos Matemática Financeira) estão em empregos bons na iniciativa privada, comprando casas e carros. E, de todos ali, só uma me arrumou entrevista na empresa dela (que eu não consegui, principalmente por dita empresa estar num processo de fusão). Quatro conversam ocasionalmente, e o resto só entra em contato pedindo para que eu faça para eles provas de inglês de processos seletivos ou provas da faculdade (para os que ainda não se formaram).
Eu estou fazendo Contabilidade agora, vendo se consigo recomeçar, mas estou extremamente desiludido. Não sei o meu problema, mas o que eu imaginava quando entrei na faculdade não aconteceu. Eu sou um total fracassado no mercado de trabalho, e dificilmente vou conquistar algo além de pular de trabalho em trabalho de escritório, para tirar 2 salários e soltar rojão de alegria por não estar desempregado. Na verdade, eu já imaginava algo nessa linha desde o último semestre, mas, além da esperança mínima, eu carregava que iria ter uma família. Alguém me aceitava, alguém me amava. Hoje, eu vejo que nem isso. Nesse mês e meio pós-término, eu percebi como meu stock está horrorosamente baixo. Ouvi diretamente de uma estranha (no Tinder, vale dizer) como eu sou "feio, com cabelo estranho e roupas deprimentes". A maior parte dos meus amigos disse que eu vou achar alguém, mas só uma amiga me apresentou para alguém (Spoiler: eu quis levar pra amizade pq esta pessoa demonstrou 0 interesse romântico em mim, mas temos muitas afinidades de gostos. Não quero que alguém legal se perca só por não querer abrir as pernas pra mim em qualquer futuro).
Então, qual a conclusão? Para relacionamentos, eu sou a tempestade perfeita: meus gostos não são nada pop, meu estilo de roupa desagrada geral, minha voz é deprimente, eu sou lerdo, distraído, amo entrar em rants gigantes quando me empolgo (vide este texto) e, mesmo que alguma garota um dia resolva passar por isso tudo, o prêmio dela será ter de viver com sexo oral recheado por 30s de penetração, num dia bom. Nenhuma mulher no mundo quer se relacionar com um homem que precise fazê-la ter um orgasmo com masturbação pq não aguenta chegar a 1min de penetração. Ou seja, eu até posso tropeçar em alguma peguete (sim, essa é a palavra, tropeçar. Um incidente do acaso, como foi com a minha ex), mas nenhuma jamais chegará a ser de longo prazo. Dificilmente eu terei uma família. E, sem uma família, não há nada para contrabalancear o fato de que eu sou um fiasco profissional. O "menino gênio" do colégio, o "cara que vai ganhar 7000 daqui 3 anos" da faculdade nada mais era que uma pessoa com um par de neurônios no meio de um grupo de pessoas com bases educacionais mais fracas que a minha e, principalmente, sem interesse algum em estudar. Numa sala focada, eu teria de me esforçar para estar no meio do pelotão. Eu sou mediano intelectualmente e, profissionalmente, sou um lixo que não conseguiu fazer networking na faculdade e, hoje, irá ter de viver de escritório em escritório, sem nenhum breakthrough.
Minha vida parece estar desenhada para ser a definição de um fiasco, de um total e completo desperdício de oxigênio. Mas eu tenho uma missão: cuidar dos meus pais. Ambos dependem demais de mim psicologicamente, ambos me amam mais do que qualquer outra coisa. Sem a minha presença aqui, a vida dos dois colapsaria. Sinto que eu só vim ao mundo para ser o pilar da vida de ambos. Então, eu tenho que ir empurrando a minha vida enquanto ambos estão vivos, tentando ao máximo não embaraçar eles mais. Decidi que vou viver a vida no limite nesse meio tempo: finalmente comecei a fazer academia (minha postura sempre foi torta e, nos últimos 2 meses, eu ganhei peso. Quero eliminar essa pança antes que ela vire um problema), fui ao Maracanã mês passado ver a ida da Copa do Brasil (sou de MG), devo receber uma indenização boa quando sair daqui e estou planejando um mês de curso de inglês na Europa (meu inglês é bom, mas não é perfeito e isso sempre me incomodou horrores, sem falar que conhecer a Europa é O sonho que eu tenho de vida). Será o meu maior highlight, e a única loucura que eu me permiti fazer. Quando voltar, vou fazer o que gosto e, mais importante, vou cuidar dos meus pais, de tudo que eles precisarem de mim.
Não sei o que o futuro reserva pra mim, mas, pensando com lógica, eu devo chegar nos meus 35/40 anos quando ambos meus pais falecerem. Quando isso acontecer, serei um solteiro entrando na meia idade, possivelmente com pouca experiência sexual que não envolva garotas de programa, num emprego pouco satisfatório e sem nenhum amor que tenha sido recíproco e que não acabe na mulher se cansando de um cara patético e percebendo que praticamente qualquer coisa é melhor que eu. Será covardia, alguns sentirão tristeza, mas será temporário, todos irão superar, e haverá um pouco mais de oxigênio no mundo.
A minha mente ainda tenta, em alguns momentos, achar alguns cenários de ilusão, de que algum milagre irá acontecer, mas não irá. Eu sei que não. Profissionalmente eu fracassei. Academicamente eu fracassei. E, amorosamente, eu também fracassei. Vi que não basta achar alguém que aguente a minha personalidade, ela não irá suportar alguém que trata preliminares como Evento Principal, e eu irei morrer com esta condição.
Por mais paradoxal que seja, pensando assim eu estou aprendendo a abraçar o que eu gosto. Eu gosto de ler. Eu gosto de sair para comer e voltar para casa. Eu gosto de esportes. Eu gosto de escrever. Eu gosto de viajar. Não vou mudar o que eu gosto pelos outros, até porque será inútil, resolver um sintoma não cura a doença, e não há remédios o bastante para curar todos os sintomas dessa doença chamada eu. Fico feliz pelos meus pais existirem, pq, se não fosse por eles, eu teria sido um fiasco absoluto em vida. Fico feliz pelo meu último namoro, pq eu nunca me senti mais feliz do que numa tarde de sábado, quando ela disse "te amo" pouco antes de cochilar no meu peito. Eu fui feliz com o amor, e, por causa dela, eu aprendi que todo relacionamento que eu entrar, obrigatoriamente, terá um fim unilateral. Eu vou ser feliz com meus outros desejos, concluir meus hobbies, fazer o que eu gosto, e cuidar de quem me ama incondicionalmente, até o fim deles. Dali, serei eu que terei meu livramento.
Eu precisava contar isso pra alguém, mas não quero que tratem isso como um pedido de ajuda, pq não é. Meu real objetivo de vida sempre foi ter uma família minha, ter um filho em uma casa estruturada e passar meu conhecimento adiante. Eu já sei que, por questões psicológicas e físicas, isso jamais acontecerá. Quando meus pais se forem, eu literalmente não terei mais o que fazer aqui e, se tudo der certo, eu terei realizado ao menos uma parcela boa dos meus outros sonhos. Eu estou tranquilo quanto a isso. Talvez ainda sinta, de novo, a dor de ver alguém me trocando por outra pessoa melhor, mas agora eu sei que isso acontecerá. Doerá menos, eu espero. E, se nem isso eu conseguir, bem...dois salários por mês dá para pagar por sexo.
De novo, desculpem pelo texto gigante.
tl;dr: Todos confiavam em mim, todos achavam que meu futuro seria brilhante. Meu futuro será medíocre, patético e, ao menos, tem uma data para acabar
submitted by botafora01 to desabafos [link] [comments]


Homem malhado pede outro em namoro Você na TV: Marido revela que está desempregado e esposa chora homem adulto e desempregado jogando joguinho Chefe se disfarça de funcionário caso 1 - fantástico - YouTube Minha namorada está desempregada Ele quer me namorar mas não tem emprego Homem pega esposa na cama com cunhado e a mata a facadas ... Trabalhador desempregado tem direito a serviços gratuitos [Jornal Hoje ] homem namorando kkkkk Solidariedade: homem desempregado ajuda 'idoso' a comprar ...

Dicas de Namoro com um Homem Desempregado - Irresistível ...

  1. Homem malhado pede outro em namoro
  2. Você na TV: Marido revela que está desempregado e esposa chora
  3. homem adulto e desempregado jogando joguinho
  4. Chefe se disfarça de funcionário caso 1 - fantástico - YouTube
  5. Minha namorada está desempregada
  6. Ele quer me namorar mas não tem emprego
  7. Homem pega esposa na cama com cunhado e a mata a facadas ...
  8. Trabalhador desempregado tem direito a serviços gratuitos [Jornal Hoje ]
  9. homem namorando kkkkk
  10. Solidariedade: homem desempregado ajuda 'idoso' a comprar ...

Rafael esconde há 3 meses que está desempregado. Ele estava gastando as economias do casal para poder pagar as contas. Edicleia fica chocada e chora. Ele quer me namorar mas nao tem emprego The Love School Record (Escola do Amor) é um programa para quem quer aprender como ser feliz na vida amorosa. Assista todos os sábados 12h na Rede Record ... Saque do PIS para trabalhador desempregado a mais de 3 anos - Duration: 7:54. VALTER DOS SANTOS 27,920 views. 7:54. 7 dicas de como arrumar um emprego - Duration: 8:24. Meu marido me traiu com um homem! - Duration: 5:20. Diário de S. Paulo 156,332 views. 5:20-Fui pedir meu melhor amigo gay em namoro👬 e olha oque deu😍 - Duration: 13:33. fala galera!! tiaguinho_1993 aqui pra mais uma gameplay desse classico que recebeu otimas criticas na ultima E3!!! essa versão, agora em Unity, traz uma seri... Disfarçado, Marcelo Rezende foi às ruas para pedir dinheiro à população para comprar remédio. A atitude de Danilo, um rapaz desempregado que, mesmo ‘no apert... Adriano, que está desempregado, sai de casa a tarde para entregar currículos, quando ele volta, ao abrir a porta vê a esposa na cama com o cunhado dela Marqu... The BEST OF Softpops 2015 for 2018! Dr Pimple Popper - Duration: 23:27. Dr. Sandra Lee (aka Dr. Pimple Popper) Recommended for you O Eddie e o Leo sentaram para discutir o complicado caso de um leitor cuja namorada está desempregada e não aceita mais fazer rolês com ele. O que fazer? Descubra vendo o vídeo. + Tem alguma ... Enjoy the videos and music you love, upload original content, and share it all with friends, family, and the world on YouTube.